Novidades do IRPF 2018 causam dúvidas nos contribuintes e alguma confusões

Novidades do IRPF 2018 causam dúvidas nos contribuintes e alguma confusões

Publicado por Zanini, 16/06/2018

Na matéria anterior do Blog Z comecei a falar sobre o Imposto de Renda da Pessoa Física. Após elaborar as primeiras declarações de IRPF dos clientes da Zanini Auditoria, tenho comentado sobre as novidades apresentadas pela RF neste ano e que estão causando ainda muitas dúvidas e confusões na hora da declaração.

 

 

Veja mais:

Experiência e trajetória profissional inspiram criação do Blog Z

Declaração do Imposto de Renda é uma das poucas certezas que temos durante a vida

Campos específicos para identificação detalhada de cada tipo de bem declarado facilitará controle da RF

A principal novidade do IRPF 2018 são os novos campos específicos criados para identificação detalhada para cada tipo de bem declarado. No caso de contas bancárias e investimentos, o contribuinte dede informar o CNPJ da instituição financeira, agência e conta nas quais os valores se encontram.

No caso de bens imóveis, devem indicar o número do cadastro do imóvel na Prefeitura, data de aquisição, endereço completo, número da matrícula e metragem do imóvel, além do cartório onde o imóvel está registrado. Para os veículos automotores, é necessário informar o numero do Registro Nacional de Veículo (Renavam).

Com a criação destes campos específicos, acredito que aumentará o monitoramento dos bens dos contribuintes pela Receita que terá condições, por exemplo, de estabelecer comparação de valores do metro quadrado dos imóveis por região, além de abrir mais uma porta para identificação de imóveis com construções irregulares e não quitadas perante o INSS e ainda aprimorar o combate à sonegação e lavagem de dinheiro.

O preenchimento desses dados em 2018 é um teste que Receita está fazendo, e, nesse caso é opcional informar os dados. Mas a partir de 2019 será obrigatório e os contribuintes terão que detalhar ao fisco todos seus bens. Mesmo não sendo obrigatório, a nossa recomendação é que os contribuintes já enviem essas informações para facilitar a importação de dados no ano que vem.

Por tudo isso, fica a recomendação de sempre consultar um especialista para a correta e adequada elaboração da sua declaração de IRPF.

Até a próxima!