O que é Ano Fiscal?

O fim de ano está chegando. Com ele, a área contábil destaca uma questão: a conclusão do ano fiscal. Mas, afinal de contas, o que significa e para que serve o “ano fiscal”? Tire todas as suas dúvidas neste artigo.

O QUE É?

O ano fiscal é um período em que empresas, e Governo, realizam apurações parciais. Ele tem duração de 12 meses, sendo dividido em 4 trimestres para facilitar a prestação de contas (apurar receitas e despesas) e tornar o processo mais transparente.

Essa prestação permite ao empresário acompanhar oscilações do mercado, desempenho da empresa, fluxo de caixa e demais dados financeiros.

QUANDO OCORRE?

Apesar de ter duração de 12 meses, o ano fiscal pode variar de país para país. No Brasil, por exemplo, o período coincide com o calendário: começa em 1º de janeiro e encerra em 31 de dezembro.

O mesmo não ocorre na Austrália, Canadá e Estados Unidos, por exemplo. Cada um deles possui data de início e encerramento diferente. Confira:

·         Austrália: de 1º de julho a 30 de junho

·         Canadá, de 1º de abril a 31 de março

·         EUA, de 1º de outubro a 30 de setembro

QUAL A IMPORTÂNCIA?

O ano fiscal é essencial para as empresas. A limitação de data garante aos empresários transparência e segurança, sem causar prejuízo a quem possa interessar estas informações. Isso facilita o processo de investidores, novos sócios e também comparação do mercado.

A organização é necessária. Imagine que a empresa A e empresa B são do mesmo setor. Um investidor está querendo entrar no ramo abordado, mas está avaliando qual é a melhor escolha: colocar todo seu dinheiro em A ou B. Neste caso, se não houvesse a limitação de data pelo ano fiscal, cada um escolheria a melhor data para prestação de contas.

No exemplo acima, a empresa A faz a prestação de contas no período bimestral, sendo a última em junho-julho. Já a empresa B, promove a prestação por semestre, sendo a última no período agosto-janeiro. Épocas diferentes, realidade de mercado diferente. Em outras palavras, difícil para o investidor ter uma análise criteriosa e escolher corretamente em qual empresa investir.

Portanto, com as determinações previstas em lei, as empresas e investidores seguem o mesmo ano fiscal. Dessa forma, todos possuem a clareza de quando as informações e balanço fiscal serão entregues. Ou seja, quem utiliza a análise fundamentalista, com base nos dados fiscais, possui mais facilidade e base para fazer uma análise completa, criar e comparar relatórios apresentados para tomar decisões de como, quando e onde investir.

ZANINI AUDITORIA

Há mais de 40 anos no mercado, a Zanini Auditoria possui ampla experiência na área contábil e fiscal. Entre em contato agora mesmo e saiba tudo que podemos oferecer para você: www.zaniniauditoria.com.br

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas